quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A CRUZ DE CRISTO: COMPAIXÃO E GRAÇA


Por Jefferson Paiva

Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito. João 19.30

A morte de Cristo na cruz é um fato central para o cristianismo. Interessante perceber que da palavra latina “cruz” surge “crucial”, isto é, central, importante.
A execução por morte de cruz era algo terrivelmente cruel. Na verdade, era sadismo legalizado. Foi provavelmente uma das formas mais depravadas de execução inventadas pelo homem. Nada mais era que morte lenta por tortura. E realmente funcionava. Ninguém jamais sobreviveu a uma crucificação. O caminho para a cruz foi um caminho de sofrimento, vergonha, dor e rejeição.
 Eu achei fascinante como o evangelho de João capta esse brado de Jesus. Mateus, Marcos e Lucas, chamados evangelhos sinópticos, devido a sua semelhança no que diz respeito ao seu conteúdo teológico, apenas registram que Jesus deu um brado e entregou o seu espírito na Cruz, mas João registra as palavras de Jesus ao Bradar: “TETÉLESTAI” ou, “está consumado”!

Ao contrário do que possa parecer, Jesus não disse baixinho, como que com vergonha do que passara, não! Ele bradou em alta voz e isso não significava, de forma alguma, uma derrota, muito pelo contrário, como um lutador de UFC, Jesus apanhou do início ao fim, mas se manteve firme e ao soar do gongo pôde enfim bradar: Está consumado! Terminou, eu venci! Aquele era um brado de vitória, mas não uma vitória solitária, egoísta, era um sacrifício absolutamente altruísta, Jesus venceu por nós e para nós, fez o que jamais poderíamos fazer. 
Não se pode olhar para a cruz e não se lembrar da graça de Deus, pois é exatamente na cruz que Deus, através de seu filho expõe seu amor. A cruz, portanto, é uma lente de aumento do misterioso amor de Deus, e sua maravilhosa graça. Impossível olharmos para Cristo, crucificado, e não sermos remetidos à graça de Deus. O brado de Jesus é praticamente uma chamada de Deus para voltarmos os nossos olhos para o autor e consumador de nossa fé, pois nele encontraríamos salvação, compaixão, graça e misericórdia. 
Mas afinal o que é graça? Sabe o ar que nós respiramos agora? Somente pela graça, pois nem eu nem você mereceríamos respirá-lo. Sabe a vida que hoje podemos desfrutar mediante a salvação em Cristo Jesus? Somente pela graça, pois nem eu nem você mereceríamos sequer viver. Romanos 3:23. “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”; Graça, portanto é o favor imerecido que Deus concede ao homem ou o amor sem merecimento. A graça pode ser contemplada por dois prismas, através da graça comum e da graça salvadora, sendo que uma não anula a outra e sim complementa.

Definições de graça segundo David M. Levy [1]

Graça comum: A graça comum se refere ao imerecido favor, amor e cuidado providencial de Deus, estendidos a toda a raça humana em corrupção, pelos quais Deus derrama Suas bênçãos sobre todos em geral, tanto sobre os salvos quanto sobre os descrentes (Sl 145.8-9) “Piedoso e benigno é o Senhor, sofredor e de grande misericórdia. O Senhor é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obra”s. Deus refreia Sua ira contra a humanidade pecadora, concedendo a uma nação ou a uma pessoa o tempo necessário para que se arrependa.

Graça salvadora: A graça de Deus é eficaz na medida em que produz salvação na vida dos indivíduos eleitos que depositam sua fé na morte de Cristo e no sangue que Ele derramou na cruz para remissão de seus pecados. A graça eficaz é conhecida por experiência no momento em que Deus, pela instrumentalidade do Espírito Santo, opera de forma irresistível na mente e no coração de uma pessoa, de modo que o indivíduo escolha livremente crer em Jesus Cristo como seu Salvador.

Tudo se torna muito vago, quando trazemos à tona conceitos e definições, mas o que gostaria de esclarecer é que o tema crucial na cruz é graça. E porque é importante que saibamos disso? Porque a graça de Deus nos nivela, não há quem Deus ame mais ou ame menos, ele morreu por todos, não há pecado maior que outro, uma pequena e a princípio inofensiva “mentirinha” que eu conto a graça me revela que pra Deus tem tanto valor quanto os crimes de um homicida ou de um pedófilo, que julgamos como pecados abomináveis, cruéis. Para Deus possuem o mesmo valor, pois custou o mesmo preço, o precioso sangue de Jesus Cristo. A graça de Deus revelada na cruz do calvário me mostra um Deus extremamente amoroso, compassivo e acima de tudo pessoal, pois veio ao nosso encontro, rasgando o véu que separava e já não separa mais, pois Jesus transformou um instrumento de rejeição, como palco para a maior demonstração do amor, do poder e da glória de Deus que o mundo poderia assistir, portanto, SIM, ESTÁ CONSUMADO, ninguém tira mais, a fé salvadora que hoje podemos contemplar, a paz que hoje podemos gozar, foi devido ao castigo que estava sobre ele. Paz tal, que apesar de ser paz, nos tira de um lugar de conforto e conformidade com este mundo, pois é uma paz que é dada a todo aquele que no filho crê, pela fé, mediante a graça.

Agora, pensando sobre Lucas 24.1-5, Cristo vive e reina soberanamente. Vida plena só podemos ter em Cristo, fora dele apenas existimos. O favor vindo da parte de Deus que nós não merecemos, expressa uma espécie de convite, Deus é gracioso conosco nos dando aquilo que é supérfluo e passageiro, como emprego, roupas, e outras coisas que julgamos essenciais, mas é na cruz que Ele mostra o que verdadeiramente importa.


“E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo”. 2 Coríntios 12:9

“Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor”. Jeremias 9:24

E por fim...
“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”. Gálatas 6:14

E é por meio dessa graça que livra da morte e pecado a todo aquele que crê em Jesus como seu salvador, que podemos hoje bradar assim como Jesus, Eu sou livre. Cristo vive em mim e isto não foi conquistado por méritos próprios é dom de Deus. Amém.

[1] O autor foi citado como exemplo de definição, no entanto, não expressa (necessariamente) de maneira plena a confissão teológica presente deste blog. Digo "presente" pois como já citado por alguém, em algum lugar, "teologia é escrita a lápis", mas a palavra deve ser permanente e soberana.